Azores Tours and Azores Shore Excursions – T4wAzores Tours and Azores Shore Excursions – T4w
Forgot password?

Curiosidades

Lenda da princesa e do pastor no reino das Sete Cidades

26904640_1380247688753932_1226551736809892124_n

A Lenda da princesa e do pastor no reino das Sete Cidades é uma tradição oral da ilha de São Miguel, nos Açores. Versa sobre a origem das lagoas da caldeira do vulcão das Sete Cidades que, apesar de unidas, têm duas cores diferentes, sendo uma verde e outra azul. Esta lenda faz parte do complexo lendário das Sete Cidades, um reino antigo e mítico, perdido algures no grande mar oceano ocidental…

Os reis desta terra encantada tinham uma linda filha que não gostava de se sentir presa entre as muralhas do castelo e saía todos os dias para os campos. Adorava o verde e as flores, o canto dos pássaros, o mar no horizonte. Passeava-se pelas aldeias, pelos montes e pelos vales.

Durante um dos seus passeios pelos campos conheceu um pastor, filho de gente simples do campo que vinha do trabalho com os seus rebanhos. Conversaram quase toda uma tarde das coisas da vida, e viram que gostavam das mesmas coisas. Dessa conversa demorada veio a nascer o amor e passaram a encontrar-se todos os dias, jurando amores eternos.

No entanto a princesa já com o destino traçado pelos seus pais, tinha o casamento marcado com um príncipe de um reino vizinho. E quando o seu pai soube desses encontros com o pastor, tratou de os proibir, concedendo-lhe no entanto um encontro derradeiro para a despedida.

Quando os dois apaixonados se encontraram pela última vez, choraram tanto que junto aos seus pés aos poucos foram crescendo duas lagoas. Uma das lagoas, com águas de cor azul, nasceu das lágrimas derramadas pelos olhos também azuis da princesa. A outra, de cor verde, nasceu das lágrimas derramadas dos olhos também verdes do pastor.

Para o futuro ficou, reza a lenda, que se os dois apaixonados não puderam viver juntos para sempre, pelo menos as lagoas nascidas das suas lágrimas ficaram juntas para sempre, jamais se separaram.

Os Açores possuem imensas lendas na sua tradição oral que são contadas de geração em geração, visite-nos e venha conhecer esta e outras lendas encantadas.

Carnaval em Ponta Delgada

27750238_1392834320828602_1501601728350084459_n

Sabia que os Açores também possuem as suas tradições de Carnaval? Alguma vez ouviu falar da Batalha das Limas?

Pois é, caso pretendam deslocar-se aos Açores durante o Carnaval podem esperar uma ilha em festa, cheia de foliões e gente bem-disposta onde a diversão está mais do que garantida.

O ponto alto do Carnaval de São Miguel é a tradicional Batalha das Limas, que se realiza na terça-feira de Carnaval e leva até à marginal de Ponta Delgada milhares de pessoas em camiões ou a pé que tentam molhar quem passa e lutam entre si transformando a marginal num campo de batalha de água, numa tradição única no país. A batalha começou por ser de flores, que posteriormente foram substituídas por limas, ou seja, pequenos recipientes em parafina produzidos artesanalmente para encher com água. Mas estes recipientes têm vindo a dar lugar aos sacos plásticos como armas de combate. Além dos combatentes nos camiões há também quem opte por combater no chão, com sacos de água ou limas para “atirar” sobre quem se atrever a passar pelo local.

Além da Batalha das Limas, o Carnaval é comemorado em vários locais da ilha com os tradicionais bailes de gala cheios de glamour no Coliseu Micaelense, e ainda outros de máscaras e fantasias um pouco por toda a ilha.

Por isso se está a pensar onde passar o próximo Carnaval, lembre-se que nos Açores terá a oportunidade de conhecer uma tradição única que certamente se irá lembrar.

Crédito Fotos: Contratempo.com

Sabe qual a origem do nome Açores?

26804610_1375796039199097_7868452314349026342_n

O arquipélago dos Açores deve o seu nome ao açor (Accipiter gentilis), porque quando os descobridores do arquipélago lá chegaram pensaram ver açores. É a ave que aparece na bandeira dos Açores.

Mais tarde, concluiriam que as aves eram, afinal, uma sub espécie local da águia de asa redonda (buteo buteo), apelidadas hoje em dia pelos Açorianos de “milhafres” ou “queimados”.

Outra teoria aponta que o Açores provém do nome Azzurro em italiano ou Azureus em latim, que significa Azul em português, como referência ao céu azul num dia brilhante e claro aquando da descoberta ao longe das ilhas. Esta teoria é sustentada por uma outra que afirma que as ilhas dos Açores já apareciam inclusive em cartas náuticas genovesas do século XIV.

Temos muitas mais histórias para contar, venha visitar-nos e descubra o segredo mais bem guardado do oceano Atlântico.